Disseminando gentileza nos encontramos no tempo da delicadeza...

27 de abr de 2009

Momentos

Numa tira de papel
– uma das tantas folhas que carregoensaio
um poema e me lembro – quando muito – de uma canção
Ao redor, cenas perfeitasnos gestos e rostos
desconhecidose você monta num roteiro imaginárioos
diálogos não ouvidos, reconstruindo
num piscar de olhosa vida, um teatro?
Olhos abertos submergimos em nossa própria história
ah, essas águas contidas que às vezes
rompem barragense nos arrastam no turbilhão...
Essas pupilas que se refletemnão precisam de linguagem;
são dois espelhos cara a cara à procura
de uma imagemquando a vêemsão muitas, divididas
Girar a roda do temporetornar àquela praiafalar
ao ventoe às ondas do mardo ponto
em que se cruzaram–estranhos – nossos caminhos...
entre quatro paredesreviver os momentosde prazer
e dorantecipadada tristezamais funda deste mundo...
As mil histórias que vivemos rebelam-se
à escrituranão querem perenidadeà falta de futuro
talvez só um pouco de ternuraquerem ser presente,
mesmo que efêmera felicidade
por Renata Maria Parreira Cordeiro
***
*
tossan disse...
Renata, este poema mexeu com os meus sentidos,
além disso é o poema mais bonito que li aqui no teu blog.
Se tu me permitires posta-lo num blog que faço parte,
eu ficaria muito agradecido.
24 de Abril de 2009 01:50

Luciana Negreiros disse...
Concordo com o amigo Tossan
realmente muito bonito
e mexe mesmo com os nossos sentimentos.
24 de Abril de 2009 13:06

GMV disse...
Momentos... tão bonitos, escritos assim,
nessa beleza que as palavras carregam...
"ah, essas águas contidasque às vezes rompem
barragense nos arrastam no turbilhão..."
[lindo]24 de Abril de 2009 19:19

23 de abr de 2009

SER HUMANO - Profissão: Vigilante

Eu sou o ar
Sou o medo o sonho e o pó na marquise
Sou magma ou, se quiseres, oceano
Sou um ilhéu em chamas naufragando no mar nocturno
Sou a ordem caótica dos teus desejos
Sou a carne e a íris piedosa da oferenda
Sou a indelicadeza e a dor que tenta caber em um único nome
Sou a insubstância letal do pecado, Mas sou!
Sou a última curva do silêncio
a última urina
a última flecha
a última cor
Sou o guardião das sementeiras
Sou a flor, a árvore, o fruto e o unicórnio
Sou a relutância da morte e do beijo.
Sou a Grécia e o Egeu
Sou a válvula das lágrimas e dos rios
Sou a mecânica fluida dos sorrisos
Sou o Louco
a grávida e a morta abandonada nos esgotos
Sou a sorte e também a chuva
Sou o amor que se desprende dos gestos
Sou a esperança, a derrota e a gravidade
Sou a inteligência sensitiva dos espíritos
a palavra, a letra e o Universo em formação

Eu sou tu, e tu és eu. Para sempre.
.
Leo Mandoki, Jr
http://leomandoki.blogspot.com/
.

Algumas coisas faço questão de esquecer. Há outras, porém, que jamais deixarei de lembrar. E agora mais que sempre, desejo homenagear o Leo Mandoki, Jr. Porquê agora? - Há coisas que não se explicam. Mandoki é tudo e nada porque ele existe em sua palavra e nela, ELE É. Por tudo e em tudo que escreve Leo é todas as coisas e qualquer um de nós. Vive em Arte e em palavra. Aqui neste belíssimo poema ELE É Verbo, é todas as coisas. É o silêncio e o eco sonoro da palavra que existe no vazio. Um Ser Humano que pode ser o que quiser ser. Livre e transgressor, agora, em seu perfil, Ele diz que sua profissão é: "Vigilante". E em certo sentido deve ser, mesmo, porque ele é tudo o que diz ser. É isto.
É tudo isto, nada disto, ou muito mais que isto porque ele sempre surpreende e porque estou falando de Leo Mandoki vírgula junior, eu nada sei sei apenas que ele é um Ser Humano de rara beleza.
"Leo Mandoki,Jr. SER HUMANO (e por incrível que pareça, de carne e osso)"
Um Ser Humano a quem respeito e admiro.

19 de abr de 2009

Apoteose

pinturas digitais por Sr. do Vale
http://particulasdosentido.blogspot.com/
Apoteose
Inspirado nas belas imagens do
Sr. do Vale.

Empunho estandarte
De vontades infindas
Em praça pública.
Ah, se soubesses
que Minhalma flameja
Pelos espirais de teu
Corpo, entrarias em
Mim feito apoteose
Nas plagas dos prazeres.
Fantasio-me de lânguidos
Segredos para descortinar
O céu rubro de tua face.
Na enxurrada de cores,
Confeito-te d´amores
O eco do que guardo
A noite pra ti:
na sinuosa avenidades
fila meu desejo.
Saciai-o!
*
Fernanda Fernandes Fontes
http://degustacaoliteraria.blogspot.com/

****
Sr do Vale disse...
Fernanda, poesia e pintura, ah quanta semelhança,
a sintônia perfeita de cores e sentimentos.
A poesia estava em segredo, dentro de ti,
e precisava ser arrancada,
foi quando vieram as nuvens em 'enxurradas de cores',
remoendo internamente o que estava encarceirado,
'descortinando seus segredos'.
Fico mui grato pela confluência dos sentidos. Abraços.

13 de abr de 2009

Do que eu preciso dizer;

Mas se quiseres saber mais sobre mim, rasgue meu coração. Aqui encotrarás memórias, cartas, flores, canções, corações em miniaturas, cidades inteiras num único ponto de luz.Mas se quiseres saber mais de minha alma, junte meus ditos, palavra a palavra, eu digito enigmas, transpiro pistas, revelo atalhos.Mas se quiseres saber mais sobre mim, não me siga, me sinta, não me minta, me abrigue aí dentro.
n.
por Érica Maria em 12 de abril de 2009
http://confessandoeescrevinhando.blogspot.com/
.
Homenagear Érica Maria é fácil porque me espanto e gosto de tudo o que ela escreve.
Érica tem dois blogs - Acima um dos links e o segundo, o íntimo e Poético, podemos ler poemas eróticos com uma sofisticação ímpar.
Então recomendar a leitura do que Érica escreve, talvez fosse desnecessário pois ela tem uma visitação expressiva. Homenageá-la é quase um deverpois se destaca nos registros literários que escolhe. Ler sempre será um prazer ler érica será sempre uma garantia da qualidade do que se lê.

9 de abr de 2009

estado de graça

O estado de graça demorava a chegar. Sua mãe logo notava, quando ela disfarçadamente diminuía o embainhado do vestido, sempre viscose. Não se continha naquela sobriedade sem lacres, ou velas. A lua sua fiel escudeira, clareava os campos para que os moços se deleitassem com seus cachos de veludo valsando no ar. Não passava rouge. Não ensaiava a face. Não pintava unhas. Abusava da lavanda. Deixava por prazer alvinha suas anáguas. Quando a neblina aparecia, hidratava-se lábios... Seu estado de graça, mesmo de graça, gastava retina galopes palavras...
**
Abraão Vitoriano

http://abraaosousa.blogspot.com/
**
Abraão chegou a mim. E eu ganhei de presente o Abraão e sua poesia, sua doçura e encantamento. Agora não poderia deixar de homenageá-lo porque eu senti uma emoção tamanha ao ler este texto poético que não me contive. Este é Abraão. Simples assim... Dizendo-se um menino-homem. Mas grande homem em poesia.

5 de abr de 2009

no mar dos olhos que encantam Esther...

Nesse mar que são teus olhos
Rebervera uma esperança verde
Há uma soma de todas as fomes
Que desperta ecos em mim
.
Já não sei se escrevo ou amo
Pois o amor travou a luta
Pontuou e norteou meu canto
De palavra nua e crua.
.
Existe no meu peito a poesia
Que insiste ser feliz e completa
Mas direi que ainda assim te espera.
.
Olhos da certeza indizível
Espreitando-me na curva da escrita
Recito o olhar que cativa e me ensina.

Postado poe Esther em 05/04/2009 http://esteranca.blogspot.com/

Novamente aqui estou homenageando a escritora e poeta Esther. E o faço porque este poema tocou-me de tal modo que fiquei poe um longo tempo lendo e relendo a beleza que é a poesia da Esther. Amiga eis que tocaste meu coração de modo ímpar. Aqui te reverencio com carinho e admiração.

4 de abr de 2009

"LEIA-ME"...

Tantas pessoas ao redor
Falsos avisos, falsas palavras e falsos amigos...
Quando precisamos
Nós sabemos com quem contar...
.
Omissão, seria uma forma de mentir...
Se você não pode falar com seu amigo
Fale comigo...
.
Tudo tem seu efeito...
Com você não seria diferente
Omitir é pior que mentir...
.
Fazer com que as pessoas pareçam idiotas ao ver de quem sabe
a verdade
Isso não é direito seu...
Mas, se torna melhor quando você sabe que todos te olham como idiota na história...
E você começa a ver que o idiota não é você...
.
Falsas conversas...
Falsos amigos...
Falso convívio...
.
Vamos bater palmas para a falsidade
Aquela que habita o carater de muitos
Muitos que se parecem amigos...
...
Postado por Cau em 1 de abril de 2009
http://paginasdocaderno.blogspot.com/

.
Eu fico maravilhada com os incontados talentos que tenho encontrado na blogosfera. Aqui mais um desses. CAU. jovem escritora com uma consciência política e ética que mechama atençção. Este é o seu mais recente post. Eu sinto-me honrada em homenageá-la.