Disseminando gentileza nos encontramos no tempo da delicadeza...

7 de jan de 2010

A estátua no jardim

(quatro poema da série ASPECTUS
Entardece
cada dia mais,demoras,
mil noites
numa única e triste luz nublada
derramada sobre a relva.
Vê a estátua da ninfa Érato...
O olhar, por detrás do vidro, da janela
como folha seca
vagueia, vagueia, procura,
no jardim não surgeo que se espera, o tudo, o todo.
Todas as coisas marrons, secas,folhas soltas,
anoitece sobre Érato,a lua não aparece,ninguém.
Só o jardime o tempo por aliem volteios, aspergindo
deboches. Cheiros da noite, húmus,
ação de húmus, humilhação,
nadas, coisa nenhuma espalhada
no livro, no vinho, nas horas,
nos intervalos dos investigantes olhares.
Vê, ei-la, vê que da janela se vê
pelo clarão de uma única lanterna
acesa por fiel servidora estátua da ninfa
Érato,vê que ela estende a coroa de rosas,
mas a lira não chora, não canta,
está aos seus pés.Cala. Cálidas mãos
sobre pele, sobre pontos,
sobrepondo amor em todos os
horizontes do corpo, são saudades.
Ah, se o céu soprar sobre o jardim
um vento benfazejo trazendo quem há de vir,
as cordas ainda serão capazesde vibrar.
.
por Dauri Batisti
.