Disseminando gentileza nos encontramos no tempo da delicadeza...

14 de set de 2009

poeta

se pudesse ser quem sou
que extravagante
seria na minha irracionalidade,
transitava de mim próprio
em circulares rectângulos
ou triângulos quadrados,
e em constante
inconstânciade multiplicações
inacabadas desinquietava
o que não sei, e,
desconjuntando o ocaso,
na linha do horizontee eternizava o
… pôr-do-sol,poemado-fotos:
-:-:-:-
Vivian disse...
...se não fosses quem tu és,com certeza não teríamoseste prazer em cada vez que entramos aqui, onde o fotógrafopoeta, deixa-se ver pela alma...
Elma Carneiro disse...
Ah... eu queria esse céu para mim. Me senti incorporada ao poema pelas comparações geométricas na linguagem do poetaeusou. Circulares, rectângulos, triângulos, quadrados – multiplicações, linha do horizonte – pôr-do-sol!

7 comentários:

  1. Muito original e interessante a ideia que presidiu a criação deste blogue.

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Tossan, meu querido!

    Música e poesia perfeitos...inbriantes!

    Só a sua sensibilidade consegue um conjunto tão harmonioso...


    É estranho isso de não podermos ser quem somos...

    Temos que ter duas caras...

    Uma para nós, e outra para os outros...

    É a vida...rs


    Beijos no coração!

    ResponderExcluir
  3. Há coisas no ser humano que me intrigam, ao menos, em alguns deles. Em geral, achamos que quem realmente somos não se enquadra nesse mundo "social", muito menos na limitada capacidade de percepção das pessoas, daí inventamos uma adaptação de nós mesmos, de modo a caber no contexto em que estamos inseridos. Só que fico pensando se essa versão mal-acabada não é mais louca, mais transgressora que nossa alma liberta. Talvez a maior trangressão seja tentar não ser quem somos. Talvez a maior loucura seja tentar não ser louco. Enfim, a cada dia mais acredito que quadrados perfeitamente quadrados é que são surreais, a verdadeira realidade é falha, povoada por quadrados triangulares, imperfeições e maravilhas. Lindo poema.

    ResponderExcluir
  4. Como que te desenhei na tela desse sol poente em loucos movimentos circulares de sentires, traçados em formas geométricas, emaranhadas e irracionais, paridas das entranhas de ti..
    É claro que podes e deves ser quem és, pessoa extravagante e bonita.
    Belissimo esse poema.
    Adorei.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Olá!

    Obrigado, pelo teu comentário.

    Gostei muito desta simbiose perfeita.
    Música e poesia.

    Abraço forte!

    Mário

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Gostei imenso deste poema, criativo!
    Fez-me lembrar duma fase da minha vida em que não me sentia eu mesma, ou seja... parecia que tinha um corpo e uma vida que não me pertenciam.
    Adorei

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário. Visite-nos em nossos blogs pessoais.